Mensagens

Vidas contemplativas

Imagem
Tenho vivido dias pouco contemplativos mas ligados a pessoas contemplativas. Vidas que me têm impressionado por aquilo que, de certa maneira, poderia ter sido também a minha vida mas que hoje reconheço que não foi a vontade de Deus. Na terça-feira depois da Páscoa o noviciado foi a Évora, com o principal objectivo de visitar a Cartuxa. Para mim a quarta ou quinta visita, sendo que as últimas já não são de curiosidade mas sim de admiração pela vida simples e austera, aparentemente vazia mas sem dúvida homens cheios de Deus. A visita foi de certa maneira rápida, uma vez que coincidiu com o passeio pascal da comunidade. Passámos nas partes principais da Cartuxa: igreja, capela da comunidade, claustro, cela, biblioteca e cemitério. As perguntas iam surgindo naturalemente, ao mesmo tempo que se tiravam algumas fotografias. Ao meio dia rezámos as Ave-Marias (na Cartuxa o Regina Caeli só se reza depois de Laudes), ao mesmo tempo que os sinos tocavam. Aliás, na cartuxa superabunda o silêncio…

Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito

Imagem
Última palavra de Cristo na Cruz antes entregar a sua vida. Não sabemos se foi propositado ou não mas, quer a primeira quer a última palavra de Cristo foram orações ao Pai. Nas duas chama a Deus de Pai, como sempre Jesus chamou e nos ensinou a chamar. Também duas das frases são citações de salmos; Jesus personaliza o salmo 31, que é um salmo indicado para as horas de tribulação. Este grito de Jesus ao Pai, é uma entrega a Deus da sua vida: Jesus, no fim da sua vida e nós, em cada dia, numa entrega de confiança e de amor. Este grito é também o grito dos que, no meio do desespero, se entregam a Deus, as suas horas e dores, as suas angustias e os seus desesperos. Jesus dá-nos uma última lição antes de morrer: unidos ao Pai os vales tenebrosos da vida passam-se na calma e na confiança.

A paixão do Senhor

Imagem
Ao ler a Tua Paixão, Senhor, eu te peço:
Que me livres do farisaísmo cego e insensível
Que tantas vezes trai e mói
Que contradiz e argumenta sem argumentos
Que vive da aparência e do agradar aos outros.

Ao ler a Tua paixão, Senhor, eu te peço:
Que me faças compreender o gesto acolhedor
Da Tal pessoa que o Evangelho não nomeia
Mas que ficou guardado na memória da fé.
O gesto solidário do Cireneu, que cansado
e talvez até contrariado foi revelador de proximidade na dor;
O gesto de misericórdia de José de Arimateia,
Que cedeu o seu próprio túmulo para que o teu corpo
Pudesse ter a dignidade que o sofrimento e a injustiça tiraram.

Ao ler a tua Paixão, Senhor, eu te peço:
Que me faças seguir o teu exemplo de humildade
Que tantas vezes passa pelo silêncio:
Silêncio diante da traição de um amigo
Silêncio diante da incompreensão, em que qualquer palavra
Gera ainda mais violência
Silêncio diante dos ultrajes e das mentiras que afogam e matam

Ao ler a tua Paixão, Senhor, eu te peço:
Que eu sa…

Tudo está consumado

Imagem
Sexta palavra de Cristo na cruz. Não se trata de uma rendição ou de um deixar de querer viver. O tudo está consumado que sai da boca de Jesus é o anúncio de que tudo se completou e até ao fim da vontade de Deus e da salvação do homem. Tudo está consumado. Jesus, cansado, não de viver mas sim de sofrer, entrega ao Pai toda a humanidade por quem deu a vida. No entanto, a obra de Deus continua a precisar de homens e mulheres que prolonguem a consumação do mundo. Homens e mulheres que ajudem outros a perceber o sentido da vida e das coisas. Homens e mulheres que pensem as questões existenciais da vida e os modos de agir. Cabe agora, a cada um de nós, continuar a obra de salvação iniciada por Deus, consumada na Cruz por Jesus, entregue a cada um de nós na busca do sentido da vida e do amor.

Via Sacra

O meu amigo António Saiote ofereceu ao Convento um quadro com as estações da Via Sacra. O meu confrade, fr. José Manuel fotografou e fez este vídeo que partilho, desejando uma Boa Páscoa, meditando em todo o amor de Cristo por nós.

Tenho sede

Imagem
Quinta palavra de Cristo na Cruz. Não tem nenhum sentido espiritual, mas sim o que um homem cansado e agonizante sente depois de tantos tormentos: sede. Nos Evangelhos não é primeira vez que Jesus sente sede. Quando entra em Sicar e se senta à beira do poço, na hora mais quente do dia, Jesus também pede à Samaritana que lhe dê de beber. A sede, uma das primeiras necessidades humanas, tem na Bíblia uma outra dimensão mais espiritual: a sede de Deus, a sede de Jesus. Mas Jesus também tem sede de nós. Deseja-nos, quer-nos, ama-nos. A humanidade deseja Deus, mesmo que por vezes o negue e lhe vire costas. Este grito/pedido de Jesus de Cristo na Cruz, não é só dele mas de todos os crucificados da história e do mundo que, continuam hoje a gritar que têm sede: sede de pão, sede de água, de roupa e de casa; de dignidade e trabalho justo, de reconhecimento e de atenção. A sede é grande neste muito, a material e a espiritual. Mas assim como do rochedo do Antigo Testamento brotou água, assim tam…

Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?

Imagem
Quarta palavra de Jesus na cruz. Desta vez uma oração, o salmo 21, que Marcos só cita mas que talvez Jesus terá rezado pelo menos uma parte dele. Por um lado, algumas pessoas dizem que Jesus, na cruz, sentiu o abandono de Deus; mas não terá sido isso, terá sido a oração de confiança dirigida Aquele em quem Jesus entrega a sua vida. Mas sim, na boca de muita gente esta palavra de Cristo, é mesmo uma palavra de abandono em Deus. Uma cama de hospital, uma doença incurável e progressiva, um desespero, torturas, mortes injustas... Quem reza sente a presença de Deus. Mesmo se há abandono de saúde ou de pessoas. E Deus responde ao grito: Eu não te abandono,meu filho. Ainda que uma mãe se esqueça do filho que traz no seu seio eu nunca te abandonarei.